segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Sobre as cem flores II

“(...) “Que cem flores desabrochem, que cem escolas rivalizem” não é apenas um bom método para desenvolver a ciência e a arte, mas também, se for generalizada a sua aplicação, um bom método para efetuar todo o nosso trabalho. Este método permite-nos cometer menos erros. Há muitos assuntos que não entendemos e que, por conseqüência, não sabemos como abordar; mas, através da discussão e da luta, chegaremos a compreendê-los e a resolve-los. A verdade desenvolve-se na confrontação das diversas opiniões. Este método permanece válido em relação ao que é venenoso e antimarxista, pois é na luta contra o que é antimarxista que o Marxismo se desenvolve. É o desenvolvimento através da luta dos contrários, o desenvolvimento dialético das coisas (...).”
(TSÉ-TUNG, Mao. Discurso na Conferência sobre o trabalho de propaganda. In.: Obras Escolhidas. Vol. V, 2ª edição. Lisboa: Editora Vento de Leste, 1977, p. 516). (negrito nosso)

3 comentários:

alex disse...

Você tem esse texto completo? As duas passagens postadas são muito boas.

Aphonso de Medeiros disse...

Tenho completo mas não digitalizado. Tenho que scaneá-los para isso. Está faltando só o scaner.
Logo logo isso se resolve e eu o envio por e-mail

Chu Te disse...

Camponeses Assassinados em Rondônia.

Dois cordenadores da Liga dos Camponeses Pobres foram brutalmente torturados e assassinados na cidade de Buritis.
Mais informações pelo link:
http://resistenciacamponesa.com/noticias/292-latifundiario-e-bando-armado-torturam-e-assassinam-camponeses

Viva a revolução agrária!
Morte ao latifúndio!